Para que serve o exame de TSH?

Nos últimos tempos você reparou uma perda ou ganho excessivo de peso, mas não entende como isso aconteceu se você continua comendo as mesmas coisas? Já ouviu falar na tireoide ou no exame TSH por acaso?

Talvez você não saiba ainda, mas a glândula tireoide exerce uma importância enorme no bom funcionamento do corpo, sendo que qualquer alteração no modo como ela atua pode resultar em problemas de saúde em níveis distintos de preocupação.

Neste artigo, até para que pense num check-up completo futuramente, acompanhe a leitura e saiba o que é a tireoide e qual é a relação do exame TSH nessa história!

 

O que é a tireoide?

Basicamente, a tireoide é uma glândula que fica localizada na área do pescoço, um pouco abaixo da laringe, e que tem a incumbência de produzir os hormônios T3 (triiodotironina) e T4 (tiroxina)

Todavia, as funções da tireoide são ditadas pela glândula hipófise, que fica no cérebro, produzindo o hormônio estimulador da tireoide (TSH), a fim de formar a T3 e T4.

Do sistema nervoso central até o endócrino existe todo um processo meticuloso, sendo que esses hormônios são responsáveis por funções importantíssimas no corpo, tais como frequência cardíaca, força muscular, temperatura, peso, metabolismo etc. 

Com relação à produção de energia, por exemplo, os hormônios da tireoide são lançados na corrente sanguínea e atuam em todas as células, orientando-as quanto a transformação de oxigênio, calorias e glicose em energia.

Quando a tireoide produz muitos hormônios, o nosso metabolismo tende a acelerar, porém, quando a produção é pouca, o processo de conversão de energia acontece de uma maneira mais lenta. 

Como o T4 tem maior produção (80%), sua dosagem costuma ser utilizada como parâmetro para saber quanto hormônio útil está na circulação, de modo que grande parte do T3 deriva da conversão de T4.

 

Para que serve o exame de TSH?

Da mesma forma que outros componentes do nosso corpo podem se desregular em algum momento da vida, isso não é diferente com a tireoide, uma vez que o processo de produção dos hormônios tem a chance de sofrer alterações. 

Ou seja, quando a tireoide produz baixas taxas de T3 e T4, logo o cérebro entende que é preciso aumentar a secreção de TSH, estimulando a tireoide a gerar mais hormônios.

Para observar esse tipo de anormalidade e tomar as devidas medidas em relação à manutenção do processo normal, existe o exame TSH, que mede os níveis de hormônios da tireoide no corpo.

Também chamado de exame ultrassensível, o TSH é investigado por meio de uma amostra de sangue simples que pode indicar as condições de saúde dos pacientes, sendo uma métrica relevante para prever possíveis doenças. 

O exame TSH é ótimo para avaliar sintomas de cansaço, pele seca, perda de peso, batimento cardíaco acelerado, períodos menstruais irregulares, entre outros aspectos. 

É um teste solicitado tanto pelos clínicos gerais quanto endocrinologistas, sendo que as doenças relacionadas à tireoide estão mais presentes no sexo feminino, podendo evoluir de forma sorrateira e sem dar pistas aparentes.

 

O que o TSH alto pode indicar?

Levando em consideração que os níveis normais de TSH para pessoas acima de 18 anos são de 0,38 a 5,33 μUI/mL, o que for detectado acima desse intervalo é o que chamamos de hipotireoidismo. 

Isto é, quando o nosso organismo está produzindo poucos hormônios T3 e T4, logicamente que o TSH vai se desdobrar para dar conta do recado e estimular uma produção maior, até porque o metabolismo precisa disso.

O hipotireoidismo é a forma mais comum de patologia da tireoide, tendo maior incidência em mulheres e idosos, de modo que a tendência costuma ser replicada entre os demais membros da família. 

Os principais sintomas associados ao alto volume de TSH são cansaço, depressão mental, constipação, pequenos ganhos de peso, aumento do colesterol, ressecamento da pele e dos cabelos, dificuldade de concentração etc.

Durante a gravidez, por exemplo, o diagnóstico de hipotireoidismo é fundamentalmente crucial, pois, se não for tratado, isso pode afetar o desenvolvimento do cérebro do bebê. 

Além disso, vale ressaltar que existem três tipos de hipotireoidismo: subclínico (TSH elevado e T4 livre normal), clínico (TSH elevado e T4 livre baixo) e central (TSH e T4 livre em elevação).

 

E o que o TSH baixo pode indicar?

Em contrapartida, quando o TSH está em níveis baixos, temos um estado nomeado de hipertireoidismo, ou seja, a tireoide começa a produzir descontroladamente os hormônios T3 e T4 e, com isso, a hipófise não vê necessidade de liberar TSH. 

O hipertireoidismo também é diagnosticado em três formas: subclínica (TSH baixo e T4 livre normal), clínico (TSH baixo e T4 livre elevado) e central (TSH e T4 livre em níveis baixos).

No que se refere aos sintomas específicos do TSH baixo, podemos encontrar situações de agitação, palpitação cardíaca, insônia, tremores, diminuição da massa muscular, perda de peso ou, até mesmo, anorexia nervosa. 

É interessante observar que doses altas de medicamento contra o hipotireoidismo podem deixar os valores de TSH abaixo do que seria ideal.

De modo geral, a maioria das pessoas ao decorrer da vida precisarão repor os hormônios da tireoide, sendo que as doses recomendadas pelos profissionais médicos devem estar de acordo com os resultados do exame TSH. 

Contudo, doses elevadas de hormônios podem significar a perda de massa óssea e arritmias. Enquanto isso, as mais baixas podem não apresentar alívio em relação aos sintomas.

 

Como o exame é feito?

Como adiantamos, o exame TSH é realizado em um laboratório ou hospital a partir de uma amostra de sangue do(a) paciente, mas desde que a pessoa esteja em jejum por 4 horas pelo menos. 

Assim sendo, o melhor horário para fazer o teste é pela manhã, levando em conta que a concentração de TSH pode apresentar modificações ao longo do dia.

É de suma importância que você revele se utiliza alguma medicação, especialmente aquelas usadas para tratar a tireoide. Isso porque os efeitos do remédio conseguem interferir nos resultados do exame. 

A duração da coleta leva pouquíssimos minutos para acontecer, de modo que qualquer demora seja decorrente da dificuldade do(a) profissional de saúde em acertar a veia.

A partir dos 40 anos de idade, o exame pode ser solicitado em casos saudáveis, a fim de verificar o estado da tireoide, mas também em situações de hipertireoidismo e hipotireoidismo, mesmo que não tenha ocorrências no histórico familiar

A periodicidade dependerá muito das orientações médicas, sendo que, no caso das grávidas, a avaliação do TSH deve fazer parte do pré-natal.

 

Em resumo, perceba que o exame TSH é muito relevante para repararmos como está nosso quadro clínico de saúde, buscando equilibrar as funções do organismo e o desempenho adequado do estímulo produtivo de hormônios da tireoide.

O que achou de tudo que leu? Gostou e quer se informar um pouco melhor sobre o assunto? Então, converse com os médicos e agende o seu exame o quanto antes!

Fale com a gente

SAC: (19) 3112-5500
WhatsApp: (19) 97409-9002

Receba dicas de saúde

Dr. Antonio Vitor Ramos de Souza
Responsável Técnico
CRM 15210 / RQE 55934

© Ramos Medicina Diagnóstica - Todos direitos reservados.