Quem nunca precisou fazer um exame de fezes na vida, provavelmente não faz ideia do quanto essa situação é embaraçosa.

Inclusive, você sabia que muitos acabam coletando de forma errada o cocô?

Infelizmente, o contato com regiões insalubres, a má alimentação e a falta de higiene podem resultar em infecções intestinais e até tumores.

Tendo isso em vista, por mais desconfortável que seja, o exame é fundamental para que os laboratórios reconheçam possíveis alterações no organismo dos pacientes.

Neste texto, você saberá o que há de principal a respeito do exame de fezes, desde a relevância até o procedimento adequado de coleta. Confira!

Qual é a importância do exame de fezes?

De forma geral, o exame de fezes é um dos mais efetivos para averiguar não somente problemas gastrointestinais como também possíveis anomalias no fígado, má absorção de vitaminas e a presença de vermes.

Sendo assim, é a forma pela qual o(a) médico(a) faz um diagnóstico das funções digestivas do paciente, até mesmo para identificar se a pessoa está sujeita a alguma doença mais séria.

Essa orientação é importantíssima para saber como está a saúde do paciente e, com isso, realizar as devidas recomendações para suprir as deficiências apontadas no exame.

As fezes dizem muito mais sobre o nosso corpo do que possamos imaginar, sendo que a cor apresentada na evacuação pode significar diversas situações clínicas.

Para se ter uma ideia, as fezes em tons mais escuros podem representar a ingestão excessiva de folhas escuras, vinho tinto, feijão preto ou possíveis sinais de sangramento do sistema digestivo.

Esse exame pode ser solicitado em casos de diarreia contínua, náuseas, vômitos, sangue na defecação e demais aspectos aos quais o(a) profissional responsável pelo acompanhamento terá a capacidade de analisar.

Quais são os tipos de exame de fezes?

Na primeira vez que estamos sujeitos a coletar esse tipo de exame, obviamente que fica a estranheza e o desconhecimento acerca da utilidade dele.

Muitas pessoas não fazem nem ideia que existe mais de um tipo de exame de fezes, sabia?

A seguir, veja qual é a relevância de cada tipo de teste.

Parasitológico

Também chamado de protoparasitológico, esse exame tem a finalidade de pesquisar o aparecimento de possíveis vermes intestinais, sendo que há dois tipos deles: protozoários e helmintos.

Vale ressaltar que cada parasita tem uma característica específica e, no contato com o nosso organismo, podem causar inúmeros sintomas como as dores abdominais, diarreias, anemia e assim por diante.

A falta de saneamento básico na região em que a pessoa reside pode ser a causa da contaminação, sendo que uma das grandes recomendações é lavar bem os alimentos antes de ingeri-los.

Por meio do exame parasitológico das fezes (EPF), torna-se mais fácil identificar a presença de parasitos ou dos ovos deles nas amostras de cocô, permitindo que o(a) médico(a) recomende os medicamentos exatos para cada caso.

Coprocultura

Embora tenha esse nome científico, muitos laboratórios também especificam a coprocultura como cultura de fezes, ou seja, um exame usado para identificar a presença de bactérias no excremento da pessoa.

Existe uma infinidade de razões pelas quais seja solicitado esse tipo de exame de fezes, sendo que a gastroenterite (inflamação ou irritação do tubo intestinal) é uma das maiores suspeitas nesses casos.

No momento em que se encontram bactérias diferentes da flora intestinal comum, fica mais simples verificar qualquer irregularidade em relação à saúde do paciente, de modo que haja um acompanhamento clínico quanto a isso.

A refrigeração da amostra dependerá muito da indicação feita pelo(a) profissional de saúde e, logicamente, do laboratório que realizará a coleta.

Sangue Oculto

No objetivo de rastrear qualquer incidência de cânceres relacionados ao intestino e possíveis hemorragias, o exame de sangue oculto é um dos mais pedidos em se tratando de cocô.

A ideia central é que haja a análise de vestígios de sangue que não são encontrados a olho nu, mas que podem estar contidos nas fezes e evidenciar situações mais graves quanto à saúde do paciente.

Todavia, não podemos deixar de mencionar que o exame é realizado de duas formas distintas: a primeira a partir de uma dieta específica de 3 a 5 dias antes da coleta e a segunda sem a necessidade de regras alimentares.

Sendo assim, as recomendações no primeiro tipo de caso é que a pessoa não coma:

  • carne vermelha ou branca;
  • rabanete;
  • nabo;
  • couve-flor;
  • beterraba;
  • soja;
  • feijão;
  • lentilha;
  • grão de bico;
  • milho;
  • azeitonas;
  • amendoim;
  • nozes;
  • castanhas.
Rotavírus

Antes de mais nada, devemos explicar que qualquer pessoa está sujeita a contrair o rotavírus, que consiste em uma das principais causas de diarreia aguda, especialmente em crianças com menos de 2 anos.

É uma doença que tem a característica de apresentar fezes líquidas e em grande quantidade, sendo que costuma acompanhar o pacote dos sinais de gripe, tais como tosse, coriza, febre, entre outros.

Nessa situação, o exame de fezes servirá para detectar o rotavírus com a agilidade necessária e permitir um diagnóstico preciso, a fim de evitar que a doença alastre para mais pessoas.

O cocô deve ser o mais recente possível depois de 3 a 5 dias de aparecimento dos sintomas, sendo que as partes que terão maior atenção são as que tenham pus, sangue ou muco.

 

Guia de Sobrevivência ao Coronavírus

Afinal, como coletar as fezes corretamente?

Embora seja algo que julgamos simples na teoria, quando se trata da prática, nem todo mundo consegue coletar as fezes direito e acaba passando por apuros na hora de levar para o laboratório.

Por isso, é essencial prestarmos atenção nas recomendações dadas quando recebemos o potinho de coleta, de modo que não haja enganos posteriores e, logicamente, o exame não sofra com alterações.

No próprio laboratório ou clínica, você receberá um pote específico para realizar o exame, portanto, nada de pegar a primeiro vasilhame que encontrar na sua casa, viu?

Para que o procedimento seja o correto e não corra o risco de misturar com a urina ou a água do vaso, o ideal é evacuar em um penico ou em uma folha de papel toalha.

Depois disso, você utilizará a espátula que acompanha o pote para coletar uma pequena amostra das fezes, de modo que comporte exatamente o que é solicitado na medida e recomendado pelo(a) médico(a).

Em seguida, escreva seu nome, data de nascimento e horário da coleta no frasco, sendo que é preciso manter em local fresco ou, dependendo do tipo de exame, levar imediatamente ao laboratório.

Por fim, ao realizar todo o procedimento de coleta para o exame de fezes, limpe tudo e lave as mãos, afinal, manter a higiene é um dos princípios básicos para evitar um possível agravamento do problema de saúde.

Além disso, procure um laboratório que tenha experiência na análise de materiais fecais, pois assim o prognóstico será correto.

Se porventura você tem mais alguma dúvida a respeito do tema, então não se acanhe e entre em contato com a gente, pois teremos a satisfação de atender a sua solicitação!

Privacy Preference Center